sexta-feira, 3 de abril de 2009

Não tenha medo do amor...!


Em virtude de ser uma das pessoas que mais me enriquecem no entendimento do Evangelho que é Caminho para a Vida (e Vida, somente Nele, Jesus), e que mesmo colocando o espelho da Verdade de Deus diante de mim, nunca fez-me sentir culpado por ser, mas antes, grato por ser aceito na Graça que me ama como sou, e que não me mudará em um "outro" ,mas em um "eu mesmo" conforme Ele, o Cristo; postei logo abaixo um texto dele,nesse meu "Diário-almático-virtual". Seja bem-vindo, Rev. D'Araújo Filho !!



NÃO TENHA MEDO DO AMOR!



Se sem amor nada aproveita, então, sem amor não há vida, pois, caso qualquer coisa gerasse vida, o amor seria apenas uma outra alternativa de vida como existência.

Quando Paulo disse que o amor era o caminho sobremodo excelente, ele não dizia que sem amor há um caminho de vida, ainda que inferior.

Não! Afinal, João decretou que Deus é amor, e, também, que aquele que ama conhece a Deus, e que quem não ama jamais o viu.

O amor não é romântico e nem fantasioso. O amor lida com o que é; sem ficção. Nele cabe o romance quando essa é a relação, mas suas bases são bases de verdade e realidade.

Amar é, segundo Jesus, uma decisão espiritual a ser praticada em relação a tudo e todos.

No entanto, o amor tem que ser como o de Jesus. Amor diferente do amor de Deus não é amor.

Pode-se ver Jesus escolhendo amigos livremente. No entanto, Ele nunca escolheu a quem amar. Ele amava quem Ele via e passava o Seu caminho.

Sim! Amava sempre. Amou os amigos e discípulos, mas amou a todos os inimigos.

E quando se diz que Ele amou alguém, como foi com o “jovem rico”, se o vê amando sem romance. Não! Ele ama apenas com amor, não com emoções empolgadas.

Também se vê que no amor de Jesus o objeto do amor, o “jovem rico”, mesmo amado, é deixado seguir o seu caminho de auto-engano. Afinal, o amor deixa livre sempre.

De fato, o amor não é dono de nada e nem de ninguém.

Quem ama não possui e nem é possuído.

O amor não é um encontro de serpentes famintas engolindo uma a outra.

Amar o inimigo é uma decisão, assim como amar a mulher que um dia se amou e se ama.

Entre homem e mulher o amor quase sempre surge como paixão, desejo e encantamento; porém, somente se mantém como amor mesmo, o qual não tem nada a ver com as miragens iniciais do amor embrionário, se for alimentado pela decisão de amar.

Muitas vezes ouço as pessoas dizerem que querem um amor.

Penso:

Não quer amor nada. Quer apenas um Pet para possuir e ser possuído.

Afinal, quem ama não quer nunca um amor, pois pode amar a todos, indiscriminadamente.

Quem quer um amor quer uma posse, quer um objeto, quer um domínio de propriedade humana.

Cada dia mais é minha convicção que aquele que cresce em amor cresce em tudo na vida; da mente aos atos de vida verificável.

Quem quer expandir a mente deve amar, pois, somente no amor pode-se crescer para atingir o que quer que seja nosso maior potencial nesta vida e na vida porvir.

É triste ver que as pessoas creiam que o amor é apenas um confeito de bolo fraterno e humano, sem que vejam que o amor é a própria vida, e que um ser humano estará tanto mais vivo quanto mais amar com o único amor que existe em projeção eterna: o amor de Deus, que é aquele que tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta; e que jamais acaba.

O amor pode mudar de configuração conforme a relação. Porém, uma coisa que o amor não sabe é desamar.

Não há mistério. Sim! Vida é amor; e quem ama está no caminho de todas as coisas.

O amor é a síntese única de tudo o que faz a existência acontecer.

E se estamos falando da vida no espírito, nada há que possa ser real e verdadeiro sem amor.

Portanto, quem quer vida eterna, que busque amar; fazendo as decisões do amor todos os dias. Sim! Sem nunca se arrepender do amor.

Escrito pelo Rev.Caio Fábio D'Araújo Filho.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Gostei bastante do texto, muito bonito mesmo, e fala do amor tanto de Cristo por nós como o de um homem para com sua mulher na íntegra, é pena que o Rev. Caio Fábio não viva o que diz, pois ao contrario do texto, ele continua bastante hostil contra os seus "inimigos". Mas o correto é reter o que é bom, e o texto é bom e verdadeiro. Amar não é possuir, e o que mais me impressiona é que pude ter uma experiência que confirma que o AMOR NÃO É UM SENTIMENTO ROMÂNTICO, O AMOR É DECISÃO! Assim como Deus tomou a decisão de nos amar, e Cristo, que em obediência DECIDIU morrer por nós por AMOR, assim também é o sentimento do homem para a mulher. Em fim, Jesus poderia deixar muitos outros mandamentos, muitas outras instruções, mas Ele apenas disse: "Amai uns aos outros, assim como eu vos amei", pois ele sabia que todo e qualquer mandamento se cumpriria em um só, O AMOR.

    ResponderExcluir